Foi uma das doze vilas do priorado do Crato, esta sede de freguesia chamada Belver.

Que coisa airosa e gentil. Que coisa airosa e gentil a vista o olho humano um lugar de sossego alcança.

O Tejo. O Tejo lá em baixo cantando a uma sua amada e a tantas serras em uma mais puro tango ou a arte dos jograis em outros tempos.

A mais pura terra se continua a manifestando lá do alto do castelo e é um espectáculo sempre reconfortante... O olho a vai sempre desnudando na mais pura beleza e é muito reconfortante ser sempre público para quem lá vai e tem o prazer de ver a nudez do além para lá para lá do Tejo e que na tristeza e dor do poeta a nudez não foi maravilha de Portugal e foi uma deusa enjeitada e como o povo do concelho de Gavião se esquece dela e ela muito mesmo bela para do que é muito mesmo bela...

publicado por DELFOS às 14:41