Comissão Europeia "anuncia" reformas em Portugal e governo fica em silêncio

O anúncio das autoridades da União Europeia contrasta com declarações, na passada sexta-feira, do líder parlamentar do Partido Socialista português, Francisco Assis.
Da Redação
Lisboa - O ministro português das Finanças, Teixeira dos Santos, manteve-se em silêncio, depois de anunciadas pelas autoridades comunitárias reformas estruturais em Portugal em vários sectores, como na Saúde e Transportes.

O Governo português vai avançar com reformas estruturais significativas nos sectores da Saúde, dos Transportes e nas Leis Laborais, foi afirmado domingo, em Bruxelas, pelas autoridades europeias e perante o silêncio do ministro português das Finanças, Teixeira dos Santos, noticiou a rádio TSF.

No final da reunião extraordinária da Zona Euro, que aprovou o plano de resgate à Irlanda no valor de 85 mil milhões (bilhões) de euros, o presidente do Ecofin, Didier Reynders, falou da situação portuguesa e da importância destas reformas estruturais.

"Felicitamo-nos pela intenção de Portugal anunciar reformas estruturais significativas no sector da Saúde e dos Transportes, e a reforma do quadro orçamental cuja execução será acompanhada por novas autoridades no seio desse processo português", declarou Didier Reynders.

Também o comissário Olli Rehn saudou as medidas anti-défice em curso em Portugal, aludindo também a importantes reformas no mercado de trabalho.

O anúncio das autoridades da União Europeia contrasta com declarações, na passada sexta-feira, do líder parlamentar do Partido Socialista português, Francisco Assis, que rejeitou em absoluto qualquer alteração ao código laboral nesta legislatura, argumentando que nem tudo o que é proposto pelo FMI ou pela União Europeia (UE) deve ser aceite por Portugal. (1)
(1) http://portugaldigital.com.br/noticia.kmf?cod=

UE: Reformas mencionadas por Portugal «constam» no OE 2011
[Error: Irreparable invalid markup ('<span [...] tahoma??>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<h2>Comissão Europeia "anuncia" reformas em Portugal e governo fica em silêncio</h2><div id="subtitulonoticia">O anúncio das autoridades da União Europeia contrasta com declarações, na passada sexta-feira, do líder parlamentar do Partido Socialista português, Francisco Assis.</div><div class="autor">Da Redação</div><div id="texto">Lisboa - O ministro português das Finanças, Teixeira dos Santos, manteve-se em silêncio, depois de anunciadas pelas autoridades comunitárias reformas estruturais em Portugal em vários sectores, como na Saúde e Transportes.<br /><br />O Governo português vai avançar com reformas estruturais significativas nos sectores da Saúde, dos Transportes e nas Leis Laborais, foi afirmado domingo, em Bruxelas, pelas autoridades europeias e perante o silêncio do ministro português das Finanças, Teixeira dos Santos, noticiou a rádio TSF.<br /><br />No final da reunião extraordinária da Zona Euro, que aprovou o plano de resgate à Irlanda no valor de 85 mil milhões (bilhões) de euros, o presidente do Ecofin, Didier Reynders, falou da situação portuguesa e da importância destas reformas estruturais.<br /><br />"Felicitamo-nos pela intenção de Portugal anunciar reformas estruturais significativas no sector da Saúde e dos Transportes, e a reforma do quadro orçamental cuja execução será acompanhada por novas autoridades no seio desse processo português", declarou Didier Reynders.<br /><br />Também o comissário Olli Rehn saudou as medidas anti-défice em curso em Portugal, aludindo também a importantes reformas no mercado de trabalho.<br /><br />O anúncio das autoridades da União Europeia contrasta com declarações, na passada sexta-feira, do líder parlamentar do Partido Socialista português, Francisco Assis, que rejeitou em absoluto qualquer alteração ao código laboral nesta legislatura, argumentando que nem tudo o que é proposto pelo FMI ou pela União Europeia (UE) deve ser aceite por Portugal. (1)<br />(1) <a href="http://portugaldigital.com.br/noticia.kmf?cod=">http://portugaldigital.com.br/noticia.kmf?cod=</a><br /><br /><div align="left" class="tituloArtigo"><span style="font-size: large;">UE: Reformas mencionadas por Portugal «constam» no OE 2011</span><span style="color: #999999;" tahoma??=""><i></i></span></div><br /><span class="leadArtigo">As «reformas estruturais» nas áreas da Saúde, dos Transportes e do quadro orçamental mencionadas no domingo em Bruxelas pelo ministro das Finanças «são as que estão previstas no Orçamento do Estado», disse hoje à Lusa fonte oficial das Finanças.</span> <br /><br />«As reformas mencionadas ontem [domingo, em Bruxelas] pelo Ministro de Estado e das Finanças são as que estão previstas no Orçamento do Estado para 2011 e, consequentemente, conhecidas publicamente», esclareceu hoje à Lusa o gabinete de imprensa de Teixeira dos Santos.<br />Portugal anunciou aos seus parceiros europeus a intenção de realizar «reformas estruturais significativas» nos setores da saúde, dos transportes e do quadro orçamental, revelou em Bruxelas o ministro das Finanças da Bélgica, Didiers Reynders. <br />Diário Digital / Lusa (2)<br />(2) <a href="http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=57&amp;">http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=57&amp;</a><br /><br /><br /><div align="left" class="tituloArtigo"><span style="font-size: large;">Ecofin: Portugal anunciou reformas, diz ministro belga<br /><span style="color: #999999;" tahoma??=""><i></i></span></span></div><br /><span class="leadArtigo">Portugal anunciou aos seus parceiros europeus a intenção de realizar “reformas estruturais significativas” nos setores da saúde, dos transportes e do quadro orçamental, revelou em Bruxelas o ministro das Finanças da Bélgica, Didiers Reynders. </span><br /><br />“Felicitámos a intenção de Portugal anunciar reformas estruturais significativas no setor da saúde e dos transportes, assim como uma reforma do quadro orçamental […], nomeadamente com novas autoridades no seio do processo [orçamental] português”, disse Reynders na sua qualidade de representante da presidência belga da União Europeia no final da reunião dos responsáveis das Finanças dos 27 (Ecofin) domingo ao fim do dia. <br />Segundo o ministro das Finanças da Bélgica, “o Eurogrupo convidou o governo português a incluir essas diferentes medidas num programa mais largo de reformas estruturais”. <br />Diário Digital/Lusa (3)<br />(3) <a href="http://diariodigital.sapo.pt/dinheiro_digital/news.asp">http://diariodigital.sapo.pt/dinheiro_digital/news.asp</a><br /><br /><span style="font-size: large;">Ontem , dia 28 de Novembro, o que a imprensa relatava nas suas manchetes"</span><br /><br />"Os sinais da crise ilustram hoje as primeiras páginas da imprensa, com o Jornal de Notícias a revelar que 120 mil portugueses ganham menos que o salário mínimo. <br />O matutino publica ainda na principal página imagens do Banco Alimentar Contra a Fome que hoje e amanhã realiza uma operação de recolha.<br />No<em> Correio da Manhã</em>, a manchete vai para o aumento de 12 por cento do preço do pão, numa edição que destaca ainda a presença em força do exército nas favelas do Rio de Janeiro, em guerra contra o crime.<br />O <em>Diário de Notícias</em> revela que <strong>«hospitais devem 500 milhões uns aos outros»</strong>, explicando que existem <strong>«unidades com dívidas de 643 milhões a fundo criado para pagar a fornecedores»</strong>.<br />Nesta edição, a fotografia a cores de uma criança de etnia cigana ilustra a pergunta: <strong>«Porque é que os ciganos ficam à porta da sociedade?»</strong>.<br />O <em>Público</em> destaca vários temas em primeira página, com a crise a dominar a manchete que conta como <strong>«Governo reage à pressão externa e prepara-se para alterar leis do trabalho</strong>.<br />O apoio de Belmiro de Azevedo a Cavaco Silva e a vitória de Marinho Pinto nas eleições para bastonário da Ordem dos Advogados são temas igualmente desenvolvidos nesta edição.<br />O <em>Diário Económico</em> noticia que <strong>«empresas públicas continuam sem saber como vão cortar salários»</strong>, destacando a aprovação do Orçamento de Estado, tema ilustrado com uma fotografia na primeira página.<br />A edição de fim de semana do <em>i</em> revela a <strong>«primeira baixa do governo»</strong>: O secretário de Estado da Justiça que <strong>«se demitiu na passada segunda feira, mas não quis assumi-lo antes da votação do Orçamento, aprovado sexta feira»</strong>.<br />No semanário <em>Expresso</em>, a fotografia de Pedro Passos Coelho cobre metade da primeira página, dando conta da entrevista do líder do PSD que <strong>«diz estar pronto para governar com o FMI»</strong>.<br />Esta edição publica ainda uma entrevista à ministra da Saúde, Ana Jorge, na qual avisa: <strong>«Vai haver um controlo mensal dos hospitais</strong>».<br />Na imprensa desportiva é o duelo Sporting-FC Porto que domina os jornais <em>A Bola</em>, o <em>Record </em>e o <em>Jogo</em>.<br />Lusa/SOL":<br /><em>Extraído do Jornal Semanário "SOL", a 27 de Novembro de 2010,</em><br /><em>e no link </em><a href="http://sol.sapo.pt/inicio/Sociedade%20Interior.asp?content-id=5528"><em><span style="color: #ddc266;">http://sol.sapo.pt/inicio/Sociedade Interior.asp?content-id=5528</span></em></a><br /><br /><em><span style="font-size: large;">Na minha opinião não é "estar pronto para governar com o FMI".</span></em><br /><em><span style="font-size: large;">Já cá andaram e a coisa parece que ficou direita e lá os sacrifícios que se fizeram para a coisa ter sucesso. Uma vez mais as passas do Algarve terão que ser passadas, se a coisa vier a acontecer. Fico com a sensação que a América se constipa e a Europa se engripa. As Sociedades Gestores de Fundos, criam fundos imobiliários que no fundo não existem. Há assim uns desvios e são assim mais de quatrocentos milhões que entram, isto para não se fazer um efeito dominó. Grécia e Irlanda a crescerem no seu produto interno bruto, coisa assim lá para o lado da banca rota, Portugal, muito bom amigo, logo com cerca de dois mil milhões de ajuda como amigo que é...</span></em><br /><em><span style="font-size: large;">Mas meus amigos, na minha opinião pessoal, são apenas uns dinheiritos que andam por paraísos fiscais e que ninguém controla e depois se lhes diz ainda "voltai que estais perdoados meus filhos".</span></em></div>
publicado por DELFOS às 10:31