É daquelas coisas que para os comuns dos seres humanos para que existem, quem escreve, que no seu canto podia até também estar muito lá com um drunfo doado pelo poder vigente em terras da campina, ou uma drunfaria cerebral por parte de um poder político local lhe dizendo na mentira que continua a ser as águas mil, o direito a uma expressão ainda continua que quem escreve nas suas dores a uma eterna solitária busca da palavra e o canto apenas sabe que é uma mentira e nunca vai beijar a bota e que por isso se vão-lhe apertando a boca...

É a pedra...
Que pedra é a Judiciária e a Inspecção Geral da Administração do Território dormindo lá para os lados se S. Bento.

A fadagosa do Monte da Pedra, podia ser um pólo de desenvolvimento para esta freguesia, mas mais ainda ela seria para a da Comenda.

Que o que se começa a escrever, liberdades e garantias tão ameaçadas em um poder local, que Blog "Gavião no Alentejo" não podia arranjar outra postagem, senão, estes gases que apenas vão saindo do intestino numa mais vacalhado do intestino para um reino do faz de conta e os cidadões não são todos iguais em terras do interior e em uma parte do Alentejo.

É fadagosa.
É a fadagosa.
Sim.
É a mais pura verdade de um movimento...
É a coisa mais liberta do ventre e entranhas da terra.
É pura que cheirando lá mal, ou coisa lá o trabalho de pesquisa incompleto, apenas começando por o Dr. Jacinto Costa em sua lá "Pharmacopea Naval e Castrense em 1819 - duas legoas para Norte da Villa do Crato, em distância de hum quarto de legoa do lugar de Monte da Pedra, nasce huma fonte de agoa crystalina, com sabor e cheiros hepáticos, tão activos, que este ultimo se sente antes de chegar à fonte. He verdadeiramente fria, e ainda mais do que as agoas ordinárias, que ali se encontrão.  As qualidades sensíveis bastarião a classificalla nas sulphureas hepaticas".
Mas se voltará...
publicado por DELFOS às 03:31