"Localização: M=211,7; P=280,2; folha 322, S.C.E. (1:25 000).
Situada numa zona bastante acidentada, com afloramentos graníticos sobre o declive que desce para a Ribeira de Eiras, perto da povoação de Torre Fundeira.

Apresenta sete esteios de grandes dimensões, dos quais quatro emergem do solo a uma altura superior de dois metros; os restantes, assim como a tampa do monumento, encontram-se tombados, como possível consequência de violações antigas.
A câmara, poligonal, com um comprimento máximo de 3,30 metros, encontra-se evidentemente violada; o mesmo não parece ter acontecido na área do corredor, no qual são visíveis quatro esteios, de pequena dimensão. Apresenta igualmente vestígios da mamoa, na zona encostada aos esteios da câmara.

Muito provavelmente, poder-se-á identificar este monumento megalítico com a «anta de belver», mencionada pelo casal Leisner, embora de forma sumária e imprecisa quanto à sua localização. Trata-se, de facto, do monumento megalítico em melhor estado de conservação na freguesia, motivo que justificou a sua classificação como imóvel de interesse concelhio, no ano de 1984". (1)
(1) in "Contribuição para a carta arqueológica da freguesia de Belver (Concelho de Gavião), de João Luís Cardoso e de Rogério Pires de carvalho"
publicado por DELFOS às 06:58