CIDADE ROMANA DE AMMAIA NO CONCELHO DE MARVÃO

02.02.11
2011/02/01 Posted in: Alentejo, Cidades Romanas em Portugal e no espaço http://www.portugalromano.com/?p=670 "

- Próximo da vila de Marvão surge um dos mais importantes vestígios da civilização romana no Norte Alentejo e embora a crea escavada ainda seja diminuta, é possível verificar todo o seu potencial enquanto vestígio de uma cidade romana que não sofreu o continuo assentamento urbano de diferentes épocas no mesmo espaço.

«Entrada sul da cidade»

A cidade de Ammaia terá sido fundada provavelmente entre o final do século I a. C., e o início do século I d. C., aparentemente segundo as regras do ordenamento do território de Vitrúvio, arquitecto e urbanista romano do século I a.C, como parecem demonstrar os vestígios até agora encontrados.

«Vista da serra do Marvão»

Os testemunhos epigráficos amaienses, ainda que não indiquem datas, sugerem uma valorização da cidade por meados do século I, muito provavelmente em consequência de um processo desenvolvido no âmbito da promoção de numerosos centros urbanos na Hispánia meridional por iniciativa do Imperador Cláudio.

Conservada e sem quaisquer construçõeses na sua área de implementação, encontra-se apenas descoberto a porta sul, o podium de um templo, e numa fase inicial as termas, as piscinas e os canais de água, apenas 2% da área total da cidade, com cerca de 20ha e onde se estima terem habitado entre 4 e 5 mil habitantes.

A Ammaia apresenta uma malha urbana muito bem delimitada tendo sido detectados até ao momento diversos edifícios públicos, adivinhando-se também a existência de uma basílica, um teatro e um anfiteatro.

A cidade romana terá sido ocupada pelo menos até meados do século VI d.C., abandonada posteriormente a esta data, tendo sido ocupada esporadicamente após esse período, mantendo apenas uma população residual, altura em que terão surgido outros aglomerados populacionais com carácter mais defensivo que lhe tomaram o lugar, ter-se-á dado assim o aparecimento de Marvão, Marwan para os povos islámicos que no século IX ocupam toda a região do Alto Alentejo.

Arqueologia em AMMAIA

Civitas Ammaia, julgou-se até 1935 que essa cidade teria existido no local onde se viria a desenvolver Portalegre. Essa confusão ficou a dever-se a uma inscrição romana identificada numa parede da ermida do Espírito Santo daquela cidade na qual se referia o município de Ammaia. Contudo, sabe-se hoje que muita pedra aparelhada com que foram construção dos alguns dos principais edifícios de Portalegre foi trazida das ruínas de AMMAIA.

Entre essas pedras encontrava-se a ara que agora se guarda no Museu de Portalegre e que motivou tanta confusão.

Da cidade de Ammaia, sobretudo a partir do século XVI, sairam muitas pedras com que se construiram palácios e igrejas em Portalegre, muitas também foram utilizadas na construção das muralhas de Marvão e de Castelo de Vide e em várias edificaçõeses particulares.

Até que Leite de Vasconcelos identificou a nova inscriçãoo entre as ruinas da Aramenha, estas eram consideradas como os restos de uma cidade denominada Medóbriga. A atribuição do nome Medóbriga ficou a dever-se sobretudo a André de Resende e a inscrição desse topónimo numa lápide que se encontra na Ponte Romana de Alcântara.

Uma das portas da sua velha muralha foi transportada para Castelo de Vide em 1710 e posteriormente destruída.

«Arco da antiga porta de Ammaia em Castelo de Vide»

Num trabalho datado de 1852 o investigador espanhol D. José de Viu refere, que no seu tempo, mais de vinte belas estátuas de mármore recolhidas na Aramenha foram vendidas para Inglaterra.

A Fundaão Ammaia estabeleceu já contactos com instituições museológicas inglesas para saber onde podem ter ido parar as esculturas, mas até agora sem resultados...

... Resta apenas uma, que pode ser vista no museu de Ammaia, tem sido atribuíada a Britânico, o infeliz filho de Cláudio e de Messalina, nascido em 42 e assassinado em 55, o que permitiria situar a estátua e o forum, se a escultura fazia parte de um programa destinado ao mesmo, por meados do século I. Mas existe outra hipótese, que é a de atribuir a estátua a Nero, filho do primeiro casamento de Agripina e que foi adoptado por Cláudio em 50, com doze anos de idade, recebendo, dois anos depois, o título de Princeps Iuventutis. Embora o estado da peça não permita avançar muito mais, quer se trate de Britânico ou de Nero, este testemunho sugere, mais uma vez, uma data para início da construçao do forum próxima do final do principado de Cláudio.

«Estátua de togado com bulla, achada na Escusa (Museu da Ammaia) - tem sido atribuída a Britânico»

Nas últimas décadas foi possível começar a recolher algumas inscriões que se mostram hoje no Museu Municipal de Marvão (2). Sobretudo pelas mãos de António Maçãs e Leite de Vasconcelos foram carregados para o Actual Museu Nacional de Arqueologia em Lisboa inúmeras peças recolhidas em Ammaia.

«Museu monográfico da Ammaia»

«a cidade foi engolida pela terra»

Com o inicio dos trabalhos arqueológicos em Ammaia, ( Outubro de 1994 ), começou a constatar-se que, sobretudo a zona baixa da cidade, se encontrava bem preservada sob uma uniforme camada de terras e calhaus rolados, transportados a grande velocidade provenientes das cotas mais elevadas. Começava-se, assim, a confirmar o que a memória popular tinha guardado - «a cidade foi engolida pela terra». Por causas ainda não determinadas verifica-se que entre os séculos V e o IX, da nossa era, a cidade de Ammaia, já em decadência, sofreu os efeitos de um qualquer cataclismo que ao soterrá-la a conservou, proporcionando que a uma profundidade média de 80 cm se possam identificar importantes estruturas arquitectónicas, como a grande praça pública lajeada que ladeia uma das portas da cidade. Na área do forum levanta-se o podium de um templo e por uma área superior a 17 hectares são visíveis testemunhos da cidade de Ammaia. Numa das encostas sobranceiras ao Rio Sever rasga-se o assento das bancadas de um recinto para espectéculos públicos.

«Termas do Forum»

Os mosaicos, aquedutos e calçadas que os autores dos séculos XVI, XVII e XVIII referem, ainda não foram identificados. Neste momento apenas uma ínfima parte da zona baixa da Cidade de Ammaia foi objecto de escavaço e estudo, possibilitando, mesmo assim, recuperar um conjunto muito significativo de materiais arqueológicos e evidenciar estruturas habitacionais e públicas de grande importância.

Descrita por autores clássicos como Plínio, pelos autores árabes, como Isa Ibn Áhmad ar-Rázi, e pelos mais conhecidos escritores e historiadores desde o século XVI.

A par do interesse pela investigação de uma das poucas cidades romanas que não se esconde sob construções de épocas posteriores, que por norma inviabilizam estudos alargados e sistemáticos, a maior parte da área ocupada pelas ruínas foi adquirida tendo em vista a sua escavação e recuperação.

Ammaia Romana

Do que resta da ocupa�o humana na cidade, para alem dos vestígios habitacionais, o visitante poder� desfrutar de uma visita ao Museu monográfico (1) onde estão patentes duas exposições com materiais que foram recolhidos ao longo dos tempos na cidade, quer no decorrer dos trabalhos agrícolas, quer j� com a realização de escavações arqueológicas no período entre os anos de 1995 e 2006.

«Museu monográfico da Ammaia»

Uma das exposições demonstra a vida quotidiana da população que viveu nesta cidade romana, e a outra, - fruto do trabalho de um coleccionador, o senhor António Maãs, que viveu paredes-meias com as ruanas da cidade, na vizinha Quinta dos Olhos D´água, e que na sua época conseguiu, em parceria com o Prof. Leite de Vasconcelos, recolher uma importante colecção de peças da Ammaia.

«Inscrião em honra do imperador Cláudio, com a primeira referncia à Civitas Ammaiensis
(foto: Museu Nacional de Arqueologia)»

Uma parte dessa colecção encontra-se depositada no Museu Nacional de Arqueologia e a outra foi recentemente entregue ao Museu de Ammaia para estar patente no seu espaço museológico. Esta colecção/exposição é composta por diversas peças cerâmicas, inscrições, moedas, objectos de adorno e vidros romanos que foram recolhidos em Ammaia desde os inícios do séc. XX e que correspondem a uma das mais importantes colecções de vidros romanos da Península Ibérica.

Porta Sul

Os trabalhos nesta área identificaram duas estruturas circulares, que revelaram ser o arranque de duas torres. Estas ladeavam uma das portas da cidade, estando por sua vez adossadas à muralha romana, as torres possuem um diâmetro externo de 6,30m e estavam ligadas por um arco - Arco da Aramenha, transportado para Castelo de Vide.

Alargando-se a escavação para o interior da cidade, descobriu-se uma praça pública, pavimentada com blocos de granito muito regulares, o lajeado do lado direito possui um comprimento de 21,30m, e uma largura de 10,75m, do lado esquerdo, apenas se conservaram algumas lajes, in situ.

«Torre»

»Um pequeno dado de jogar, em osso, foi encontrado numa das torres da porta sul, no mesmo local onde foram também encontradas muitas moedas - será que os guardas transformavam a torre numa sala de jogo informal para matar o tédio? «

«Vista da entrada na cidade pela Porta sul»

Os lajeados ladeiam uma das principais ruas da cidade (Kardo Maximus), que segue em direcção ao Fórum, possuindo cerca de 4m de largura, no entanto, os vestígios da calçada original desapareceram, restando apenas as peças que constituíam a soleira da porta.

«Peça de granito da estrutura da soleira»

Esta soleira é formada por cinco peças de granito, duas delas encontradas in situ. A construção deste conjunto monumental na segunda metade do séc. I d. C., implicou a demolição parcial de algumas habitações mais antigas que remontam aos inícios do império.

«conjunto monumental - Porta sul»

Termas do Forum

Em 1996 identificou-se um pequeno tanque revestido por placas de mármore, que faria parte do complexo balneário do Forum. Seria provavelmente o tepidarium (tanque de água tépida), ou o frigidarium (tanque de água fria).

«Área das Termas do Forum»

A envolver este tanque surgem algumas estruturas pertencentes ao complexo termal. Recentemente, foi posta a descoberto parte de uma natatio, piscina maior do edifício, que poderia ser coberta ou ao ar livre. A oeste encontra-se a EN359 que destruiu uma parte significativa deste edifício.

Fórum e Templo

«podium do templo da civitas»

Na Tapada da Aramenha, eleva-se uma estrutura rectangular (18m x 9m), com uma altura máxima de 2,50m, correspondendo ao podium de um templo.

«Templo e Forum Romano»

Apresentando um enchimento de terra argilosa e opus incertum que seria revestido com blocos de granito e dividido em duas partes (a cella e o pórtico do átrio) por um muro transversal ainda visível. As escavações na área envolvente do podium permitiram delimitar o edifício com maior monumentalidade da cidade, o Forum.

«estruturas romanas do Forum»

Era aqui, que se centravam os poderes administrativo, religioso e judicial da civitas, rodeado por cerca de 20 lojas e onde a popula�o da cidade e da região vinha prestar culto às divindades do panteão romano e indígena.

«Radio past - Radiografia da cidade romana de Ammaia»

Nos últimos anos, várias equipas de arqueologia provenientes de toda a Europa têm desenvolvido um conjunto de métodos para o estudo de importantes sítios arqueológicos soterrados. O objectivo destes métodos que não destroem paredes, pisos e objectos que ainda estejam soterrados, é limitar intervençoes destrutivas e onerosas como as escavações.

«Projecto 2D - reconstituição da Porta sul e Forum romano»

Este trabalho inclui diferentes tipos de teledetecção (fotografia aérea, laser scanning, etc.), métodos geofísicos terrestres (georadar, prospecção magnética), SIG baseado em ferramentas de análise e visualização e outros sofisticados métodos de prospecção.

Estas tecnologias aplicadas podem ajudar os arqueólogos a adquirir uma visão mais precisa do passado soterrado e ajudá-los em experiências de reconstrução do «antigo mundo subterrâneo» e na divulgação dos resultados da investigação ao público.

«Trabalhos de protecção de estruturas no Templo (2010)»

A coordenação científica do projecto é da responsabilidade da Universidade de Évora, que contratou dois professores, o belga Frank Vermeulen e a italiana Cristina Corsi, para trabalhar com os arqueólogos portugueses Joaquim Carvalho e Sofia Borges.

Resultado desse trabalho, sabe-se agora que a praça pública de Ammaia está cercada por 20 lojas, um templo e uma basílica (tribunal) e foi embelezada com monumentais pórticos, estátuas e fontes. A partir deste plano 2D, obtido com esta nova tecnologia, os especialistas irão agora reconstruir um modelo 3D do coração da cidade romana e a longo prazo, está em projecto uma completa reconstrução digital da cidade.

O projecto Radio Past (www2.radiopast.eu) vai disponibilizar uma visita virtual à Cidade de Ammaia, em quiosques multimédia, com filmes e modulações 3D, durante o ano de 2011 e 2012.

Ammaia, «a das ruínas», de regresso « vida.»

O trabalho de recuperação e valorização da Cidade Romana de Ammaia, recebeu o Prémio Vilalva 2009 para a recuperação do património, atribuído pela Fundação Calouste Gulbenkian.

"A grande relevância histórica, patrimonial e técnico-científica do projecto de recuperação e valorização de um sitio arqueológico ímpar no panorama nacional" foi o motivo que levou o júri a atribuir este prémio.

Lendas de Ammaia�

...Da grande cidade, nos principios deste século, apenas restavam à superfície alguns muros que a memória popular diz serem os que a terra não conseguiu engolir. As ruas e casas da velha urbe lentamente deram lugar a terrenos de lavoura. De quando em quando um arado vai mais fundo e levanta alguma cantaria ou canalização trazendo até à superfície alguns restos da desaparecida Ammaia. E, gradualmente, na tradição popular começou a construir-se uma lenda. A velha cidade da Aramenha tinha sido engolida pela terra durante um grande terramoto. A cidade está intacta, mas muito funda, dizem alguns. As telhas que o arado ainda arranca fazem parte dos telhados dos palácios soterrados, afirmam outros. À lenda da cidade soterrada associa-se a dos tesouros que ainda aí se guardariam. A procura destes lendários tesouros tem contribuído, ainda mais, para que os poucos muros e alicerces ainda sobreviventes sejam esventrados, acabando por ruir.

(1)Museu Monográfico da Cidade da Ammaia

Estão expostas peças da vida quotidiana das populações, que vão desde vidros a cerámicas. Uma parte deste espólio está no Museu Nacional de Arqueologia que, em conjunto com o Museu Monográfico da Ammaia constituem uma das mais importantes colecções de vidros romanos procedentes de um só local da Península Ibérica.

(2)Museu Municipal de Marvão - Arqueologia

A presença romana está bem testemunhada no Museu Municipal pelas cerâmicas, metais, vidros e documentos epigráficos. As escavações efectuadas na necrópole romana da Herdade dos Pombais e a Cidade Romana de Ammaia, foram as principais fontes do esp�óio exposto.

Localização: Igreja de Santa Maria
Morada: Largo de Santa Maria, Marvão

Fontes:

Fundação Cidade de Ammaia
(info: http://128934ed.110mb.com/)
MUNICIPIUM DE AMMAIA, PATRIMÓNIO ROMANO NO NORDESTE ALENTEJANO de Maria de Lourdes C. Tavares
(info: http://cienciasdonossotempo.no.sapo.pt/cidade_de_ammaia.htm )
Projecto Radiopast em Ammaia
(Info: http://www2.radiopast.eu/?page_id=390)
A Cidade Romana de Ammaia - Escavaçõees Arqueológicas 2000-2006 (2009)
Edições Colibri, Autoria: Sérgio Pereira
Câmara Municipal de Marvão - Cidade de Ammaia
Autor : Jorge de Oliveira
Cidade e foro na Lusitânia Romana. Mérida, 2009
"Ammaia e Civitas Igaeditanorum. Dois espaços forenses lusitanos."
Autor: VASCO GIL MANTAS
(info: https://estudogeral.sib.uc.pt/jspui/bitstream/10316/13498/1/Vasco%20Gil%20Mantas%20-%20Ammaia%20e%20civitas%20Igaeditanorum.pdf)."
publicado por DELFOS às 05:38

IX FEIRA MEDIEVAL DE BELVER

02.02.11

19 e 20 Junho - Junho 2010
FEIRA MEDIEVAL DE BELVER

15 h - Cortejo Régio pelas ruas do Burgo e Autos de abertura no Mercado na praça; visita do Meirinho e do Homem da Vara para aferição dos pesos e medidas às Tendas de Mercadores, Almocreves e Carroças de Bufarinheiros: o Arauto anuncia a Ordem do Alcaide de aprestar todos os homens válidos para a guerra a mando de El-Rei D. João I contra os esbulhamentos constantes de Castela; treinos de combate pela milícia de Homens na Praça de Armas; comeres da região de Entre Tejo e Guadiana e beberes da pipa nas tabernas do mercado; adestramento de falcões e águias; treinos com Arco para a Caça de Montaria; construção de máquinas de guerra pelos soldados e carpinteiros; o contador de histórias narra a saga do Castelo hospitalário; as melodias e trovas dos Menestréis e Trovadores nas sacadas dos varandins; as bailas e as danças ao som da gaita de foles nos terreiros da praça; a boa chegada dos Romeiros e Peregrinos de Santiago de Compostela e seu agasalho no Mosteiro; comeres tradicionais e beberes de mão-cheia nas tabernas do burgo; desaguisado entre fidalgos brigões vassalos de D. João I e alguns cavaleiros fracos vassalos de El-Rei de Castela, na taberna das Alcoviteiras e invocação do Juízo de Deus na Baforda de Armas; fiscalização das Tabernas e Vinhos pelo Almotacem; certificação dos Mesteirais e Mestres de Ofícios e Artes pelo Almoxarife; ronda pelo Mercado dos Beleguins e Aguazis; mudança de turno nas Atalaias do Castelo; o Aurato anuncia a todos a chegada de D. João I; adestramentos de Falcoaria para a caça altaneira e corridas de burros aguadeiros; danças e folias com Saltimbancos e Menestréis; comeres fartos e beberes frescos nas tabernas da Feira, D. João I, desavindo com El-Rei de Leão entra no Castelo para o defender; assédio ao Castelo por uma mesnada do Rei de Leão e Castela; cerco Leonês com engenhos de guerra e a socorro de D. Nuno Álveres Pereira, Condestável do Reino em visita aos Monges Hospitalários acantonados no Castelo; os festejos da vitória com danças e folguedos e o anúncio de restauro com novo alçado de torres; a festa sarracena com danças do ventre e a arte do encantador de serpentes.

24h00 - Concerto musical nas tabernas e locandas com "Os Fonte da Pipa"

15 h - Mercadores e artesãos iniciam as suas actividades de comércio Já o visitador fez as suas ablusões, já rezou missa e já todos se benzeram em dia santo. Aproveitando a presença do ilustre prelado, o tabelião anuncia a sua erudição lendo a boa voz os termos e prazos da Comenda de Belver. Um bando de mendigos e maltrapilhos consola-se ao sol, partilhando alarvemente um osso de presunto aparecido por artes do demo junto a uma barrica de vinho maduro. Há um cheiro de festa no ar. Sacudiram-se as palhas das enxergas, afastaram-se as teias de aranha, enxotaram-se as lêndeas para o terreiro e até água quase cristalina se vê a escorrer das cabeças acabadas de lavar.
As atalaias já lançaram o alerta e todos acorrem às bermas do caminho para tocar e quiçá beijar as santas vestes do prelado.
Por ocasião da chegada do visitador do Arcebispado de Évora ao Castelo de Belver, saindo os Monges beneditinos a receber sua Iminência junto à sombria frescura dos espigueiros, o senhor de Belver manda aparelhar todos os seus validos na praça de armas. Haverá, um singelo preito ao visitador, um torneio de armas a cavalo na Praça de Armas. E como de alguns mais hábeis escudeiros se fará o adubamento de cavalaria para serviço de defesa do raiano ermo castelo, assim se aproveita a presença de tão ilustre clerezia para abençoar as lides castrenses, permiando-se a singular destreza no maneio das ditas e a boa cortesia no trato. E ao torneio ocorrerão as gentes dos povoados em redor, refrescando as goelas nas tendas dos vinhos e os ávidos olhares nas bancas dos mesteirais e nas recheadas carroças dos almocreves.
Os homens bons do conto dos besteiros acorrem a receber a receber as alfaias para disputarem as pontarias no cibo. Virão também os Arqueiros do concelho fazendo-se acompanhar pelos Monteiros e suas matilhas.
Após estas provas de habilidade com o Arco e Bésta, serão apurados os melhores para o Torneio de Arco do dia seguinte.
Por ora, os Falcoeiros da Alcaidaria mostrarão as habilidades das suas aves de caça. Desejando agradar ao visitador, o senhor de Belver manda que se façam alguns jogos populares entre os camponeses com o intuito de escolherem os mais capazes para incorporar a comitiva de homens de armas do arcebispo de Évora. Jogos de força, de destreza, de habilidade e de bravura põem à prova alguns homens desejosos de melhorar as suas condições de vida.
E eis que chegou a hora dos cavaleiros e infanções mostrarem a sua perícia em justas de cortesia. As amadas donzelas ofertam lenços bordados aos seus paladinos. O único prémio será cortês e os pares não guardarão rancores.
Quanto aos escuteiros, os mais afortunados terão a honra de contar com o apadrinhamento e apoio dos seus senhores, procurando por todos os meios, exibir as suas afoitas qualidades e destreza no manejo das armas.
Haverá benção e adubamento de cavaleiros.
E antes ainda de anoitecer, far-se-á festa ao som dos manestréis e jograis, bailando-se em redor com muita parcimónia.
O vinho escorrerá dos odres para as escudelas e o povo lamberá os beiços sôfregos enquanto gargalha, alarve, com as momices dos bufões.
Alça-se o senhor e retiram-se as damas para o descanço na alcáçova, esvaziando-se o terreiro.
Juízos de malfeitores, desmandos heréticos e possessões malignas.

22h00 - Autos de encerramento da Feira e lavagem de cestos e almotolias.

E, assim, o blog "ALENTEJO no NORTE" permite, "Só em Belver é possível transportarmo-nos no tempo e vivermos em duas dimensões"...
O melhor da Excelência e qualidade até ao momento presente, o blog o também diz!

publicado por DELFOS às 02:49

O COMÉRCIO EM BELVER E A SUA INDÚSTRIA

02.02.11

JOÃO ALVES FREIRE
Estabelecimento de fazenda, Malas,
Camas de Ferro, Mercearia e Miudezas
Beira-Baixa -- BELVER
______________________________

FARMÁCIA MENDES
Director Técnico Alexandre Mendes
Aviamento escrupuloso de todo o receituário médico
BELVER
__________________________________________________
JOÃO BATISTA DA SILVA
Productor de vinhos, cereais, azeites e cortiças
BELVER
__________________________________________________
JOÃO DAVID FARIA
MERCEARIA e vinhos
Largo 5 de Outubro
BELVER
___________________
Lagar da Oila
SOCIEDADE POR COTAS
Fabrico de azeite pelos processos mais modernos
BELVER
__________________________________________________
MANUEL CARDOSO SEQUEIRA
MERCEARIAS e vinhos
Estrada Nacional - BELVER - Beira Baixa
__________________________________________________
PENSÂO BARATA
BOa meza, bons quartos
- Preços módicos -
Vinhos da sua produção
BELVER
________________________
MIGUEL MATIAS CHAMBEL
Comissões e Consignações Correspondente Bancário e de seguros
ADUBOS, AZEITES, CEREAIS E OUTROS ARTIGOS
SABÃO MOLE
Fabrico regional, que fornece em pequenas e grandes quantidades
para muitas fábricas de lanifícios e outros tecidos do paiz
_____________________________________________________

O Blog, o "ALENTEJO no NORTE" diz que a coisa se passou nos anos trinta do século passado e leva a coisa para o ano de 1932. Esta do sabão, do sabonete, o devido produto parece que esconde qualquer coisa...

publicado por DELFOS às 02:25

SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO CIENTIFICA E TÉCNICA

02.02.11

Designam-se Serviços de Informação Científica e Técnica e são um serviço central do Ministério do Emprego e Segurança Social - na estrutura da sua Secretaria-Geral - de concepção, coordenação e apoio técnico nos domínios da documentação, informação e divulgação da informação científica e técnica, para as questões sociais nas áreas de Política Económico-Social, Direito, Condições e Relações de Trabalho, Emprego e Formação Profissional, Estatísticas Sociais, Organizações Internacionais, Política Comunitária e Segurança Social.

Pode pois dizer-se, sem exagero, que em matéria de Trabalho, no SICT é possível encontrar todo o tipo de informação: referencial, bibliográfica, factual, jurídica, estatística e de imprensa - tanto no âmbito nacional, como internacional e comunitária.

BANCO DE DADOS

O fundo bibliográfico do SICT - com cerca de 65000 títulos, entre eles 1800 relativos a periódicos - é constítuido, nomeadamente, por colecções de obras de referência (enciclopédias gerais e especializadas, dicionários de línguas e técnicos, glossários, directórios, reportórios, guias e atlas, constituições, códigos, estatísticas, obras júridicas e colectâneas de legislação), colecções gerais (publicações do Ministério do Emprego e Segurança Social, relatórios e estudos de organismos públicos e privados nacionais e estrangeiros, publicações de organizações e instituições internacionais, bibliografias temáticas) e colecções de periódicos (periódicos especializados de âmbito económico social, jurídico e estatístico, séries das organizações internacionais, revistas de grande divulgação e newsletters).

Para além do já referido, o SICT dispõe ainda de documentação jurídica (informação sobre legislação e jurisprudência de âmbito nacional, comunitário e estrangeiro, informação sobre regulamentação colectiva de trabalho), documentação de Imprensa (arquivo temático de Imprensa diária, semanal e mensal desde 1974, documentação de Imprensa em microficha de "Conflitos de Trabalho/Sindicalismo", "Questões Sociais" e outras desde 1974) e de um arquivo histórico e documental (arquivos com material de organismos extintos antes de1974 - Ministério das Coorporações e Previdência Social, Serviços de acção social, grémios, etc.).

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

O SICT presta vários serviços aos seus utentes, através de um atendimento personalizado, que pode passar por consulta, informação e pesquisa, empréstimo, reprodução de documentos, tradução, terminologia, cooperação, formação e consultoria. No seu leque de utilizadores preferenciais, encontram-se juristas, sociólogos, economistas, investigadores, estudantes, parceiros sociais.

A prestação de serviços de informação que implique recolha de dados e organização, resposta ou pesquisa por meios informáticos ou temáticos é acompanhada por técnicos de informação no acesso a base de dados nacionais e estrangeiras. O SICT acede também, via Telepac, a diversas bases de dados (nomeadamente à PORBASE - base de dados bibliográficos - e às bases de dados internacionais da Organiazação Internacional do Trabalho e do Centro Europeu para o Desenvolvimento da Formação Profissional).

As bases de dados em CD-ROM são outro meio de pesquisa utilizado pelo SICT no que respeita a Informação sobre Sociologia do Trabalho, Higiene, Medicina e Segurança no Trabalho, Legislação Comunitária e às Convenções, Pareceres ou Relatórios da Organização Internacional do Trabalho.

Na Base de Dados Bibliográfica SOTE (Social, Trabalho e Emprego) é inserida toda a documentação tratada bibliograficamente pela Direcção de Serviços do SICT, com uma cobertura temática de informação nacional e internacional sobre trabalho, política de emprego, formação profissional, higiene e segurança, inspecção do trabalho e segurança social.

Por outro lado, o SiCT é também produtor das bases de dados factuais ORGFO/INSTIT (Instituições de Educação/Formação em Portugal e na Europa Comunitária) e MÉDIA (Entidades produtoras de material documental, audiovisual e multimédia para formação).

LIGAÇÃO AO CEDEFOP

O CEDEFOP (Centro Europeu para o Desenvolvimento da Formação Profissional) sediado em Berlim, é um organismo que tem por missão promover o desenvolvimento da formação profissional, no âmbito dos estados membros. A informação em matéria de formação profissional constitui uma das acções fundamentais do Centro. Para isso, conta com uma rede de informação Documental, o SICT desenvolve várias acções: informação geral sobre educação/formação em Portugal; colaboração nas publicações do CEDEFOP, Formação Profissional e CEDEFOP Flash Special; documentação de imprensa portuguesa; respostas a questões específicas na área da educação/formação; e, entre algumas outras, recolha de informações para o "Reportório Europeu de Projectos de investigação sobre Formação/Educação" do CEDEFOP.

DIFUSÃO E PRODUÇÂO DE INFORMAÇÃO

Compete ao SICT desenvolver acções de sensibilização, promoção e divulgação dos vários produtos informativos do MESS, quer através de produção editorial de estudos sectoriais na área do emprego, trabalho e formação profissional, quer organizando ou promovendo exposições temáticas, sessõs técnicas e seminários.

No âmbito destas atribuições os Serviços de Informação Científica e Técnica apoiam logisticamente outros órgãos e departamentos do MESS no que concerne à animação de espaços de informação e à concepção e tratamento imagnético de todos os suportos informativos.

Cabe igualmente ao SICT a produção e a informação técnica, elaborando, nomeadamente bibliografias e listagens, dossiers documentais temáticos, organização diária de pastas de informação de Imprensa e de toda a informação técnica oriunda da Comunidade Europeia, do CEDEFOP e da Fundação Europeia.

SICT - Edifício Sede do MESS, Praça de Londres, 2-1º, Lisboa

Horário do Funcionamento da Biblioteca: 10-12h 30 14-16h 30

Horário de Funcionamento do Posto de Venda: 9h 30 12h 30 - 14-17h.


Mas é daquelas coisas mesmo que revolta. Seja o presidente do Crato, do Gavião ou de Nisa. Os Senhores, ao não ligarem nenhuma ao que está escrito em cima, a perder será o vosso povo e toda esta região imensa e bela. Façam um favor a vós próprios perante as vossas consciências e deiam um cheirinho e certamente que ides compreender que pode ser um polo e uma inspiração para mais qualquer coisa e um saber fazer que lá está contido e pode ser um acto de motivação para quem queira se aventurar...

publicado por DELFOS às 02:03

UM LIVRO SOBRE MARVÃO E UM PORTAL PARA ELE

01.02.11
2011-01-25

"Promover o território de Marvão como destino turístico", dar a conhecer as várias atividades que são desenvolvidas naquele concelho, são os principais objetivos do livro e do portal sobre Marvão que vão ser lançados até ao mês de abril.

Segundo avançou o vereador do município de Marvão, José Manuel Pires, o novo portal e o livro, vão funcionar como uma “janela de oportunidades” para projetar o que o concelho tem de melhor.

Esta segunda feira assinalou-se a Restauração do Concelho de Marvão, que ocorreu em 1898.

Para assinalar a data o município procedeu á apresentação do livro Marvão: Território, Produtos e Actividades e do Portal www. marvao.pt."

Susana Mourato

Fonte:
Rádio Portalegre

http://www2.portalegredigital.pt/client/skins/portuguese/artigo.asp?page=1928

publicado por DELFOS às 07:57

NO ALENTEJO O TURISMO SÉNIOR

31.01.11

26/1/2011

O Turismo do Alentejo vai apresentar, até ao final do mês, uma campanha dirigida aos turistas de uma faixa etária mais elevada.

A campanha dirigida ao Turismo Sénior surge integrada no Programa “Alentejo Faz-me Bem” vai ser comercializada pelo CITUR e Alentejo Tours. Em comunicado à imprensa, Ceia da Silva presidente do Turismo do Alentejo revela que “vamos lançar no mercado uma campanha inovadora e competitiva.

Estamos atentos às fragilidades do mercado e é fundamental que os empresários também estejam alerta e se associem a uma campanha que pretende contrariar as negativas previsões da crise e manter os bons resultados que a região tem obtido nos últimos anos”.

A campanha vai ser divulgada na iniciativa “Alentejo Faz-me Bem”.


Publicado pela redacção em Turismo no espaço http://www.allentejo.com/?p=298

publicado por DELFOS às 09:52

ASSOCIAÇÃO SÓCIO CULTURAL DOS AMIGOS DE AREZ

30.01.11

 

"Numa época em que as conjunturas se apresentam adversas para toda a sociedade e em que o interior é caracterizado por uma desertificação humana, sobretudo afectando as aldeias, felizmente ainda há quem não se renda à inércia, ao abandono e à degradação destas comunidades.

Em prol da dinamização da freguesia de Arez, foi criada uma Associação com um objectivo recreativo, social e cultural, a fim de integrar as diversas actividades e iniciativas onde se pretende envolver todos os Amigos de Arez.

Assim, numa freguesia onde existem Avós, Filhos e Netos com valências e aptidões tão diversas, pretende-se fomentar o desenvolvimento de actividades diferentes, integrando pessoas de todas as idades e de interesses diversos, integrando pessoas de todas as idades e de interesses diversos, como são as propostas de iniciativas de âmbito, recreativo, social, desportivo e cultural.

Associação foi constituída por Escritura Pública realizada em Nisa, no dia 4 de Novembro de 2010, sediada provisoriamente em instalações pela Junta de Freguesia de Arez e constituída por sócios de várias idades e aptidões, cujos membros que compõem os respectivos Órgãos Sociais têm um objectivo comum: Arez.

Com a elaboração de um logótipo e com a criação de um Site na internet efectuadas por Arezenses, a Associação pretende mostrar desde logo, o apoio à criatividade de todos a quem asseguramos ter um espaço de dinamização de iniciativas que pretendam desenvolver.

A cooperação entre entidades apresenta-se como sendo a única forma de desenvolvimento de actividades sustentadas onde o fomento de Tradições, Mostras Etnográficas, Exposições, Ateliês infantis, Convívios, Festas e todas as Acções que envolvam a preservação e divulgação do património cultural, ambiental, artístico, desportivo e social.

Assim, contamos com a colaboração da Junta de Freguesia de Arez, da Santa Casa da Misericórdia de Arez e da Câmara Municipal de Nisa, tal como pretendemos o envolvimento dos agentes comerciais e económicos da Freguesia e do Concelho. Constarão ainda, no Plano de Actividades da Associação, os Protocolos com entidades sediadas fora da freguesia por iniciativa proposta de todos os amigos de Arez, uma vez que o objectivo é comum : AREZ."


MUITA BEM ESCRITO O TEXTO. O blog http://alentejononorte.blogspot.com/ diz que deve ser assim ou que devia ser assim. Um projecto, se calhar com algumas horas com a sua feitura e veio atingir o topo. Melhor coisa, talvez pata terminar, eu tive um sonho, sonho que veio de uma visão e a missão será realizada...
publicado por DELFOS às 13:00

NÍVEL DE INSTRUÇÃO E ACTIVIDADES ECONÓMICAS NO NORTE ALENTEJO

25.01.11
Dado o elevado índice de envelhecimento do Norte Alentejano e sabendo que são geralmente os escalões etários mais elevados que possuem habilitações mais reduzidas,
o resultado obtido é, apesar de pouco animador, expectável.
A estrutura de habilitações do Norte Alentejano está alinhada com a verificada na região do Alentejo, no entanto, apresenta uma maior proporção de população com o 1.º Ciclo do Ensino Básico (31% contra 34%, respectivamente) e menor proporção de população com o nível médio ou superior (16% contra 12%).
Em relação à taxa de analfabetismo, o conjunto dos doze municípios apresenta uma média de 20,8%. O valor mais elevado é registado em Monforte (27,0%) e o baixo em Elvas (13,6%).
Em relação à taxa de actividade, a taxa que permite definir o peso da população activa sobre o total da população, estes doze municípios do Norte Alentejano apresentam um valor médio de cerca de 40%.
Esta taxa de actividade situa-se invariavelmente abaixo dos valores de referência nacional e da região do Alentejo aproximando-se do valor registado na sub-região Alto Alentejo. O município de Campo Maior regista a mais elevada taxa de actividade, sendo mesmo superior à verificada na
NUTS III Alto Alentejo. Os municípios de Gavião, Nisa, Alter do Chão, Crato, Monforte e Arronches registam valores abaixo dos 40%.
Em relação aos sectores de actividade económica, predomina o sector terciário com 61,9%, seguido do sector secundário com 26,2% e do sector primário com 11,9%.


Comparando estes valores com os registados a nível nacional e regional, verifica-se que o sector terciário no território em análise assume um peso superior ao registado a nível nacional, enquanto o sector secundário se situa abaixo do valor nacional. O sector primário apresenta um valor mais elevado do que o valor nacional.


Estes valores são semelhantes aos verificados ao nível da região Alentejo.
Em relação a cada um dos doze municípios, Elvas e Castelo de Vide são os que apresentam um valor mais elevado em relação ao sector terciário, com 70,7% e 69,4% respectivamente.
Os municípios de Avis e de Sousel são os que apresentam valores mais baixos, com 51,8% e 53,7% respectivamente.
O sector secundário regista em Campo Maior e Gavião os valores mais representativos, respectivamente, 32,1% e 30,8% da população residente empregada, valores superiores aos registados na região Alentejo. Por outro lado, são os municípios de Monforte e de Alter do Chão, com 15,6% e 16,1% respectivamente, que registam os valores mais baixos.


Quanto ao sector primário, Monforte, com 21,8%, é o município que apresenta o maior número de residentes empregados neste sector seguido de Arronches (20,4%) de Sousel (19,9%). Pelo contrário, são os municípios de Gavião e Castelo de Vide, com 7,1% e 7,4% respectivamente, onde o sector primário é menos representativo.
Em relação aos sectores de actividade de maior relevância na estrutura económica da região do Alto Alentejo surgem o sector da agricultura e da produção animal associada, a indústria de panificação, a indústria de leite e derivados e a indústria de café e chá, assim como, o sector da cortiça e do turismo na vertente do segmento da restauração.


A agricultura e os serviços públicos e sociais assumem um peso na economia regional (15% e 34% do VAB regional, respectivamente) muito superior à média nacional o que revela dificuldades de diversificação do tecido empresarial e de desenvolvimento de novas actividades de prestação de serviços, nomeadamente, serviços de apoio às empresas (PDTNA, 2008).


O tecido empresarial da região do Norte Alentejano apresenta-se atomizado, com predomínio das pequenas e microempresas. Apenas Campo Maior acolhe empresas com mais de 250 trabalhadores.
Nos últimos anos, a região conseguiu manter uma taxa de iniciativa empresarial superior à média do Alentejo e do país mas a taxa de sobrevivência dos estabelecimentos criados diminuiu sobretudo no que se refere às unidades de menor dimensão, determinando uma inversão da criação líquida de postos de trabalho e uma maior taxa de rotatividade do emprego (PDTNA, 2008).
UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL  /
Agenda 21 Local. O Caso de Estudo do Norte Alentejano.
Maria José Almeida Dias de Sousa  / 
Lisboa  /  2009  /  DISSERTAÇÃO ORIENTADA PELO PROFESSOR DOUTOR FILIPE DUARTE SANTOS E PELO PROFESSOR DOUTOR JOÃO FARINHA.
publicado por DELFOS às 13:31

OLHANDO O CASTELO CERNADO E FREGUESIA DE COMENDA

13.01.11
"COMENDA! Uma planície alentejana, lá em cima num planalto, se estendendo e se alongando, onde a Vagem do Bardo e a Chancelaria, parece que é esquecida e posta de lado. Terra vossa, localidade tão grande, uma aldeia que parece estar encolhendo e a ficar deserta...
Imagina! Ao pé das placas de Tolosa e da Comenda, imagina "SENHOR AUTOMOBILISTA NÃO PASSE AO LADO VENHA CÁ DENTRO" e uma seta te indicando!
Que entrando e depois de lendo, na tua ex-IFAL "FUTURO PARQUE INDUSTRIAL" não queira ficar, e ficando, apenas o desejo de te fecundar e aumentar...outra música pode começar a tocar! Povo Castelense, não estais compreendendo, pois não? Património, a tua História e o Turismo...só podes estar brincando! Eu, não estou falando, dos moinhos no rio Sôr, que o Crato não "livra de lá o fato". Que ao fim de tantos anos, nunca soubestes aproveitar e se não fizeres nada Belver é que fica a ganhar.
Que importa se não rima, talvez continuando, outras formas de te ver e  pensar..."
www.netcode.pt/bukes/ver_buke.php?bid  28-10-2008.

A coisa e assunto ela foi colocada no falecido site e Livro de Visitas da Junta de Freguesia de Comenda. Que  blog "Gavião no Alentejo" olhando bem para a coisa e assunto, regista, um livro que serviu essencialmente para derrubar o presidente deposto. Como que se a inocência politíca, o deixar andar, o permitir uma escrita assente no anonimato e ela não fosse e não o seja responsável pelo derrube e onde se vem a perder por um voto na boca das urnas nas eleições passadas e para a respectiva Junta de Freguesia de Comenda.

E se em tempos passados e ele o reivindicava para este povo e aquela gente, gentes de Castelo Cernado e também freguesias de Monte da Pedra, Aldeia da Mata e que seja também a da Cunheira, terras esquecidas e abandonadas ele o reivindicava, Senhor automobilista não passe ao lado venha cá dentro ele deixa cair o assunto e apenas deseja uma seta apontando para a terra de Comenda a dizer Parque Indústrial.

Mas o slogan atrás citado ele o deixa cair para aqueles povos, apenas pensa que seria de todo interesse a ideia ser aproveitada nas duas entradas e bocas e portas desta vila de Gavião.
Está pensando, o edil da Câmara Municipal de Gavião fará como quiser e bem entender. Que o direito assim o tem na sua mão e sufragado. Ao utilizar o não concordo apenas está negando e aniquilando os serviços de restauração  e semilares existentes nesta vila e a sua função será só virada para os nativos locais desta terra e esta vila.
Vai ser interessante notar e registar - assim o blog o espera - as populações de Tolosa, Gáfete e a de Alpalhão, ao não serem concelhos, as ditas, elas são capaz de ter cada uma, ter tanta população como esta vila de Gavião.

Mas Parque Indústrial uma obra tão bem feita nas terras de Comenda e uma planície sem fim onde o olhar se perde em cima do planalto.
Ela apenas peca por ser tardia embora seja sempre a Fénix mitológica renascida.
O mais engraçado da questão é que não existe mão-de-obra suficiente para suportar um investimento que se venha a realizar no futuro. São apenas cinco a seis gatos pingados e ao alto em desemprego e de longa duração.
Apetece dizer, não era aqui que o investimento e aterro devia ser realizado.
Não era também nesta vila que o aterro e investimento devia ser realizado.
O investimento devia ser realizado a nove quilómetros desta vila e a mesma distância que fica das terras de Comenda. O investimento devia ser feito nas placas de Comenda e dava para a freguesia de Arez, Tolosa, Comenda, Atalaia, Monte da Pedra, Ferraria, Margem e também a mais pura e casta e virgem é esta vila de Gavião.

Palavras mal ditas que ele não tem juízo.
Mas é o sangue do Barbeta e do Talha que ao fim de tantos anos ainda lhe corre tão livre nas veias. Mas é o lápis azul que castra a virilidade cerebral dos que partiram para a terra da verdade e predarias e os rebentos que hão-de vir não deixarão de ser adulterados e branqueados.
Mas é o Alentejo.
É o Norte-Alentejano que começa neste concelho de Gavião e sem a verdade e o símbolo que nos deu o ser e nos rouba a nossa memória pelo esquecimento e a massificação e nos tira a nossa identidade como povo.
Não deixa de ser crime ao não se ligar nenhuma e não querer saber da coisa. Desta alma ou seja lá este povo alentejano.
Ao fim destes anos, quando os Serviços de Aguas e Esgotos desta Câmara de Gavião encontraram ossos, moedas e mosaicos, ao que parece em grande quantidade e os ossos em cima uns dos outos, que até ao presente ainda não se encontre registada a zona e que para Belver vai uma ponte pedonal a ligar as duas margens  do Tejo e também o Museu do Sabão e para a Comenda um cabaz vazio sem boas novas. 
Ela apenas seria e ira valorizar a zona envolvende e dar motivos e orgulho a quem teve a ousadia de ir investir num empreedimento turístico em terras de Comenda.
Mas o mais grave ainda é um amigo do Redondo fazer uma pergunta sobre quem foi determinada pessoa e ninguém saber responder. Que se lhe dá o nome de uma rua e respectiva placa e não se conhece quem foi a personagem e se continua a não querer saber destas coisas. 

Sabe mais o pouco que sabe quem pergunta de quem está no convento e depois diz que apoia a cultura e como se não fosse um estado do faz de conta...
publicado por DELFOS às 04:14

A LINHA DO TUA AGORA É ENTRE BELVER E VILA VELHA DE RÓDÃO

04.12.10
Roteiros / Belver e Vila Velha de Ródão

Aventura no Alto Tejo
Dois passeios no Comboio Aventura (em várias versões) a Belver e Vila Velha de Ródão, ao encontro das belezas do Tejo, entre albufeiras, bosques e escarpas
A Linha da Beira Baixa, um dos mais bonitos trajectos ferroviários portugueses, é o instrumento ideal para descobrir os encantos de Belver, vila medieval coroada por um castelo e de Vila Velha de Ródão, alcandorada sobre o Tejo, no ponto onde este transpõe a serra das Talhadas através de um estreito desfiladeiro

Dois conjuntos de passeios propostos pelas CP e que têm como objectivo a descoberta das paisagens e do património da beira-Tejo. Para cada uma destas vilas as propostas desdobram-se em três: um trajecto de aventura, uma opção pensada, de raiz, para as escolas e uma última para um público mais generalista. Em todos eles o passeio pela natureza e actividades no Tejo são traços de união. Existem, ainda, para estes dois destinos, programas suplementares concebidos a pensar nas necessidades específicas das empresas. Neste caso incluem actividades por equipas pensadas para o fortalecimento de laços entre os participantes, visando desenvolver, também, o espírito de equipa e a capacidade de resposta a situações imprevistas. As partidas podem ser, além de Lisboa, também de Vila Franca ou do Entroncamento, consoante mais interesse às empresas.

Rotas de Ródão e Belver - saiba mais

Especial para empresas

Tanto o itinerário de Belver como o de Vila Velha de Ródão têm uma versão especial, feita a pensar nas actividades de «team building» e lazer das empresas. Neste caso, o programa pode ser marcado para qualquer dia da semana e não apenas para os sábados, existindo a opção de partidas de Vila Franca ou do Entroncamento.

O programa de Belver inclui «peddy paper», passeio pedestre, «slide», canoagem e «paintball». Já o de Vila Velha de Ródão tem labirinto gigante insuflável, parede de velcro, bola orbital, tiro com arco, construção de ponte, matraquilhos gigantes, visita pedestre à aldeia de xisto da Foz do Cobrão e passeio de barco no Rio Tejo com visita ao Monumento Natural das portas de Ródão.

O Comboio Aventura é um dos serviços nos quais a CP aposta para ajudar a descobrir as belezas do país, proporcionado a aventureiros de todas as idades um dia inesquecível. Existe um leque variado de programas que toma como eixo a Linha da Beira Baixa, propondo a exploração de dois destinos: Belver, vila dominada por um bonito castelo medieval e tendo à beira-rio a zona de lazer do Alamal; e Vila Velha de Ródão, valorizada pela proximidade do monumento natural das Portas de Ródão. Em ambos os casos as partidas fazem-se, aos sábados, de Lisboa (Santa Apolónia) no comboio regional, com regresso depois de jantar. O contacto com a gastronomia regional é um dos aliciantes da viagem e está incluído no custo total do passeio.

Ainda que os dois programas (Belver e Ródão) assentem numa filosofia semelhante têm algumas especificidades, pelo que serão descritos separadamente. Para cada um há três variantes: percurso de aventura, escola em viagem e circuito turístico-cultural.

Belver fica ligeiramente mais perto de Lisboa, pelo que será referido em primeiro lugar. O Programa Aventura inclui passeio pedestre na praia fluvial do Alamal e um conjunto de actividades de ar livre; «slide», «rapel», tiro com arco e «paintball», isto para além do contacto com o Tejo, assegurado por uma prova de canoagem. Para as escolas (Escola em Viagem) o programa desportivo é adaptado, passando a incluir tiro com arco e prova de obstáculos. Além disso há visita ao castelo, «peddy paper» e passeio de interpretação da natureza. Finalmente, a versão mais turística do programa (Descobrir Belver) passa por visita ao castelo e exposição de produtos regionais, completados por um passeio de barco no Tejo e um circuito de interpretação da natureza.

Alguns quilómetros a montante fica Vila Velha de Ródão, sendo a duração da viagem aumentada um meia-hora, bem empregada a apreciar as paisagens ribeirinhas das janelas do comboio. O programa de aventura desdobra-se em canoagem e passeio de barco no Tejo, transposição de pontes suspensas, tiro com arco, «paintball» e passeio de btt. O programa escolar é semelhante, incluindo percurso de orientação, pontes suspensas, «paintball», tiro com arco e btt (a partida faz-se de comboio Intercidades e o regresso é no Regional). Finalmente o trajecto turístico (ida e volta em Intercidades) passa por um passeio pedestre na foz do rio Cobrão, visita à torre templária (castelo), passeio de barco e visita ao Museu de Arte Rupestre.

Saiba mais
Chegue a Belver e a Vila Velha de Ródão com os comboios Regionais da Linha da Beira Baixa e aprecie o percurso pitoresco, sobretudo ao longo do Rio Tejo, onde a paisagem se destaca pelas suas insinuantes montanhas e verdes dominantes. Depois de embalado por este cenário prepare-se para saltar, correr, subir, descer, passear ou simplesmente descansar à mesa da boa gastronomia portuguesa. Assim, são garantidos dias divertidos, num sítio diferente. A CP estabeleceu parcerias com entidades organizadoras de eventos, a pensar na diversão de todos. Há um programa adequado aos miúdos e aos mais graúdos, a grupos de amigos, casais de aventureiros, famílias com filhos ou escolas.

Também a pensar nas empresas foram criados programas especiais. Com saídas de Lisboa, Vila Franca de Xira, Santarém e Entroncamento, agora só tem de escolher o melhor programa para si e marcar a data de partida. Boa Viagem.

A Geopark Naturtejo é a entidade que promove o turismo na região integrada pelos concelhos de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Nisa, Oleiros, Proença-a-Nova e Vila Velha de Ródão. Graças ao elevado potencial turístico desta região e ás suas excelentes infra-estruturas, a Naturtejo promove o desenvolvimento económico regional oferecendo uma grande variedade de produtos turísticos de qualidade que vão da gastronomia ao património histórico, e dos eventos desportivos às festividades religiosas tradicionais, para mais informações http://www.naturtejo.com/.


Screenplay Belver and Vila Velha de Ródão
Adventure in the Alto TajoTwo train rides in Adventure (in various versions) and the Vila Velha de Belver Ródão, met the beauty of the Tagus, between lakes, woods and cliffsThe Beira Baixa, one of the most beautiful rail routes Portuguese, is the ideal instrument for discovering the charms of Belver, crowned by a medieval castle and Old Town of Ródão, perched over the river Tagus, at the point where it spans the mountain Talhadas through a narrow gorgesets of tours offered by the CP and that aim to discover the landscapes and heritage of the Tagus waterfront. For each of these towns proposals unfold in three: a journey of adventure, an option designed from the ground up for schools and the last one for a more general audience. In all the activities and nature walk along the river are traces of marriage. There are also to these two destinations, additional programs designed with the specific needs of businesses. In this case teams include activities designed to strengthen ties among the participants in order to develop also the team spirit and ability to respond to unforeseen situations. The matches can be, and Lisbon, Vila Franca also Junction or, as most interest to businesses.Routes Ródão and Belver - learn moreEspecially for firmsBoth the route as the Belver de Vila Velha de Ródão have a special version, made to think about the business of 'team building' and leisure businesses. In this case, the program can be scheduled any day of the week and not just for Saturdays, there is the option of departing from Vila Franca or the Junction.The program includes Belver "peddy paper 'walking,' slide ', canoeing and' paintball '. Already the Vila Velha de Ródão has gigantic inflatable maze, velcro wall, orbital ball, archery, bridge construction, football giants, seen walking to the village of Foz do Cobrão shale and boat ride on the Tagus River with visits to Natural Monument of wheel bearings.The Adventure Train is one of the services in which the CP bet to help you discover the beauties of the country, offered to adventurers of all ages an unforgettable day. There is a wide range of programs that takes as its axis the Beira Baixa, proposing the holding of two destinations: Belver, village dominated by a beautiful medieval castle and having the river to recreational area Alamal; and Vila Velha de Ródão , enhanced by the proximity of the natural monument of the wheel bearings. In both cases the matches are made on Saturdays, Lisbon (Santa Apolonia) in the regional train, returning after dinner. Contact with the regional cuisine is one of the exciting travel and is included in the total cost of the ride.Although the two programs (Belver and Ródão) rely on a similar philosophy have some specifics, so it will be described separately. For each one there are three variants: adventure travel, school travel and tourism and cultural circuit.Belver is slightly closer to Lisbon and will be referred to in the first place. The Adventure Program includes walking on the beach and river Alamal a set of outdoor activities; 'slide', 'rappel', archery and "paintball", that apart from contact with the Tagus, assured by a proof canoeing. For schools (School Travel) The sports program is adapted to include archery and obstacle race. In addition there are visiting the castle, 'peddy paper' ride and nature interpretation. Finally, the tourist version of the program (Discover Belver) passes through the castle and visit exhibition of regional products, complemented by a boat ride along the river and a circuit interpretation of nature.A few miles upstream is Ródão of Vila Velha, and the journey time increased half-hour well spent enjoying the riverside scenery from the windows of the train. The program of adventure unfolds in boating and boat trip along the river transposition of suspension bridges, archery, 'paintball' and ride mountain biking. The curriculum is similar, including route guidance, suspension bridges, "paintball", archery and mountain biking (the match is done and return InterCity train is in the Regional). Finally, the tourist route (return on Intercity) passes through a pedestrian promenade at the river mouth Cobrão, visit the Templar tower (castle), boat trip and visit the Museum of Rock Art.
Learn more
Reach Belver and Vila Velha de Ródão with train Regional Beira Baixa and enjoy the scenic route, especially along the River Tagus, where the landscape is distinguished by its green mountains and insinuating dominant. Once packed for this scenario, prepare to jump, run, climb, descend, walk or simply sit at a table of delicious Portuguese. So, are guaranteed fun day, a different place. The CP has established partnerships with event organizers to think of the fun of all. There is an appropriate program for kids and bigger ones, and groups of friends, couples, adventurers, families with children or schools.Also thinking of the companies were created special programs. With departures from Lisbon, Vila Franca de Xira, Santarem and Junction, now only has to choose the best program for you and mark the date of departure. Boa Viagem.The Geopark Naturtejo is the body which promotes tourism in the region composed of the municipalities of Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Nisa, Potters, Proença-a-Nova and Vila Velha de Ródão. Thanks to the high tourism potential of this region and its excellent infrastructure, Naturtejo promotes regional economic development by offering a wide variety of quality tourism products ranging from food to historical, sports events and the traditional religious festivals, for more www.naturtejo.com information. (1)
(1) http://cp.pt/cp/displayPage.do?vgnextoid=c34!
publicado por DELFOS às 12:55

mais sobre mim

pesquisar

 

Fevereiro 2011

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

últ. comentários

arquivos

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro