Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

alentejoaonorte

alentejoaonorte

03
Fev11

UM CASAMENTO EM TOLOSA (1925)

DELFOS

"José Leite de Vasconcellos foi um dos maiores arqueólogos e etnólogos portugueses do século passado. Privilegiando o trabalho de campo, dedicou especial atenção e carinho à nossa região, aonde vinha com frequência, pernoitando nas casas de pessoas amigas, em Tolosa, Gáfete ou em Nisa. Não admira, pois, que na sua principal obra, de dez volumes "Etnografia Portuguesa", encontremos abundantes referências sobre quase todas as terras do concelho de Nisa e do Crato. A descrição que segue foi vivida pelo próprio autor de "Regiões da Lusitânia" (outra das suas obras mais conhecidas), em Tolosa.
Casamento a que assisti, em 30 de Dezembro de 1925
"Depois da cerimónia da igreja, em que nada houve de especial senão a bênção dos anéis, que os noivos trocaram entre si, passou-se às cerimónias profanas.
Os noivos saíram da igreja ao som do sino, acompanhados dos padrinhos e convidados. A noiva e as duas madrinhas iam vestidas de preto, com a cabeça coberta por mantilhas ou côcas ; o noivo como os padrinhos e convidados, trajava ao modo corrente: jaqueta curta, cinta de pontas à dependura, chapéu de pano...
O acompanhamento seguiu para casa da noiva, onde a família desta havia preparado um copo-de-água, isto é, vinho de pasto, bolos e tremoços.
A noiva ficou em casa da família e o resto das pessoas seguiu com o noivo para casa da família deste, onde o deixou: todos aí beberam, igualmente, vinho e comeram bolos.
Durante o percurso, vinha gente às portas e às janelas, e os padrinhos deitavam-lhe confeitos e amêndoas doces tal como ao rapazio que logo na igreja se juntara e seguira à frente de tudo com grande algazarra.
Seguiram os convidados da noiva para casa da família dela e aí tiveram uma boda ou jantar; os do noivo ficaram com este e tiveram também a sua boda. Depois disto é que os noivos se juntaram e foram habitar em casa própria. Constava esta de dois compartimentos: cozinha e quarto de dormir, muito limpinhos.
Na cozinha, que é a par da sala de entrada, sobressaía, diante da porta, segundo o costume, a cantareira, com a sua estante nova, pratos novos e asados, postos no poial, empedrados e frescos, com seus testos e panelinhas na boca.
A outro lado da cozinha, estava uma mesa, coberta de toalha branca e rendada e, em cima, bonecos de barro e bugigangas análogas. No quarto, uma particularidade própria do dia: sobre a cama, uma rima de cobertores e cobertas, de variadas cores, e, na beira, pregados, uma porção de roda-pés, uns sobre os outros.
Todo o arranjo da casa é feito à custa da noiva; o noivo leva, apenas, o seu vestuário e as ferramentas com que trabalha.
Por cada casamento o pároco recebe, além de dinheiro, meio alqueire de trigo, dois litros de vinho, uma quarta de carne e uma galinha. Outras notas sobre o assunto tomou o autor, em ocasiões várias, igualmente em Tolosa.
Na antevéspera do casamento, vão as raparigas solteiras e amigas da noiva compor-lhe a
casa, sobretudo a sala e a cama. Roupa de uma cama de noivos: 10 roda-pés de pano corado, paninhos, etc., com bordados; um colchão, 5 cobertores, 5 lençóis de cabeceira, com dobra bordada, 2 travesseiros, 4 travesseiras.
Na véspera do dia, jantam padrinhos e convidados em casa dos pais do noivo e da noiva, depois do que há bailho até de manhã, ao som do harmónio e da concertina.
No dia do casamento, de manhã, vão à fonte as amigas da noiva à água para o consumo do dia. A madrinha vai buscar a noiva e o padrinho o noivo. Saem para a rua, vêm atrás os convidados, alguns com pratos de flores e papelinhos que hão-de deitar sobre os noivos, depois da cerimónia eclesiástica. Segue-se o registo civil, e vão depois para a igreja.
As pessoas amigas atiram das janelas e da rua sobre o cortejo, que vem da igreja, flores,
arroz e papelinhos, enquanto os padrinhos depõem amêndoas nas bandejas e as atiram ao rapazio da rua. Baila-se na noite do casamento até de madrugada, e não em local certo mas em casa a isso adequada.
Os noivos retiram-se para a sua pela meia-noite. Aparece-lhes, depois, um descante à porta - entoam os rapazes cantigas ao som da guitarra ou do harmónio - e os noivos levantam-se para distribuir vinho e bolos.
Versos do descante:
Viva o noivo mais a noiva,
Viva o pai que os criou
E o padrinho e a madrinha
Que à igreja os acompanhou!

Viva o noivo mais a noiva,
Que se foram já casar!
Deus le dê muita saúde
E bons anos prá gozar!

Viva o noivo mais a noiva
Raminho de erva cidreira,
Já fôstades à igreja
Pôr o nome de casada
E perder o de solteira.

Já fôstades à igreja,
Linda rosa encarnada,
Perder o nome de solteira
E buscar o de casada.
Num 4º dia, logo de manhã, as madrinhas levam aos noivos café e fatias (fatias de pão de trigo, fritas com ovos e açúcar) e no mesmo dia dá-se almoço e jantar outra vez aos noivos e comitiva em casa dos pais de cada um deles, seguindo-se novo bailho. Só, então, acaba a boda.
Os noivos só depois do casamento comem juntos; um dia em casa dos pais de um, outro dia em casa dos pais do outro."
13
Dez10

PROJECTO "BOSQUE DO CENTENÀRIO"

DELFOS

              AQUÉM&ALÉMTEJO
Domingo, 12 de Dezembro de 2010
GAVIÃO: Projecto "Bosques do Centenário"

O Município de Gavião aderiu ao Projecto “Bosques do Centenário”, um projecto que resulta de uma parceria entre várias entidades: Associação Nacional de Municípios Portugueses, a Autoridade Florestal Nacional, a Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República, a Quercus, e o Movimento cívico Limpar Portugal.
Este projecto enquadrou-se num prédio rústico do município, que foi no passado utilizado como lixeira, neste momento fez-se a sua requalificação, com a plantação de várias espécies florestais de acordo com as características edáfoclimáticas da zona em causa. Foram ainda contactadas várias entidades do Município para se juntarem ao projecto, nomeadamente Agrupamento de Escolas Vertical de Gavião, Universidade Sénior e Santa Casa da Misericórdia de Gavião. (1)

Ora viva lá meu caro, o agradecimento ao meu amigo MMendes, a liberdade de poder colocar aqui no meu espaço, um espaço que é seu. Afirmar-lhe apenas, quando achar alguma coisa de interesse nestas bandas tenha a vontade com a liberdade que me concedeu e aproveite se achar alguma que lhe posa interessar.
No tocante ao amigo, acredito que foi mesmo um prazer enorme que teve, meu contacto lhe oferecer, que eu acho apenas que a coisa anda muito perto.
Bem, mas deixamos lá isso, no tocante a plantar ao "Projecto Bosques do Centenário" eu digo que é uma pura mentira, os elementos do referido projecto, na Comenda, se tiveram o prazer e a honra de plantar alguma árvore, eu digo que não foram cem, eu digo que foram noventa e seis. Estão quatro mortas e inexistentes no mercado ou Legado Municipal e até ao momento ainda nºao lhe conseguiram resolver o devido problema da estética ou a sua própria vida.
Termino. Custa tanto sempre terminar, não sei se o amigo conhece a estrada que vai da Comenda para Tolosa. Se o amigo tivessese prazer, era junto às bermas das estradas que essas cem árvores deviam viam ser plantadas. Ir plantar árvores o para o campo, apenas lhe digo, esta semana fui dar uma volta pelos campos e herdades destas propriedades. Junto ao Estacal da escola e para entrar na estrada, o sacrifício que foi. Quem não gosta de ver o percurso de árvores que uma empresa lá colocou
Mas o blog, "Gavião no Alentejo" tem o nome da primeira rua quando se tentou implantar a republica. Coisa, que lá vila de Gavião ainda não lhe conseguiu dar, nem ao menos um nomunento a simbolizar o acontecimento. (1)

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D